Mídia programática: descubra o que é e como usar!

Por Capa, Dicas, Geração de Leads, Marketing Digital

mídia programática

mídia programática

A automação de marketing vem ganhando cada vez mais espaço, especialmente devido ao momento de transformação digital pelo qual estamos passando. Plataformas online tomaram-se o território das mídias tradicionais, pois são opções mais baratas, práticas e com resultados melhores.

É nesse contexto que surge a mídia programática. Estudos mostram que os investimentos globais nesse tipo de mídia paga dobrou entre 2015 e 2019 e triplicou no Brasil. Portanto, esse modelo de divulgação é a aposta dos grandes anunciantes, principalmente pelo seu potencial de personalização.

Se você quer começar a investir no digital, esse momento não poderia ser melhor. Assim, fizemos esse artigo para explicar o que é mídia programática e porque vale a pena investir nessa estratégia. Vamos abordar os seguintes assuntos:

  • O que é mídia programática e como funciona?
  • Como ela pode te ajudar na sua estratégia de marketing?
  • Como fazer uma campanha de mídia programática?

Acompanhe!


O que é mídia programática e como funcionaO que é mídia programática e como funciona?

Mídia programática é um tipo de mídia paga digital onde anúncios são exibidos às pessoas certas e no momento mais adequado. É uma forma automatizada de comprar espaços publicitários na internet, trazendo afinal mais eficiência e inteligência durante o processo.

Esse processo não envolve inserções manuais ou negociações presenciais entre o anunciante e o vendedor desses espaços online. Então, tudo é feito por meio de um software, através de um sistema de leilão.

Ao contrário da mídia tradicional, na qual o valor era determinado pelo canal, na mídia programática o valor é determinado pelo perfil do público-alvo desejado. Portanto, anunciar nesse tipo de espaço permite que você personalize totalmente a sua campanha para um público bem segmentado.

Os algoritmos são uma parte importante para o funcionamento dessa estratégia digital. O processo é o seguinte: eles analisam o comportamento de um visitante de um site e otimizam campanhas para um público com maior probabilidade de conversão.

Por isso, a mídia programática é tão eficiente. Ela só mostrará anúncios que realmente são relevantes para aquele usuário, de acordo com o seu comportamento e interesses demonstrados na web.

Leia também: Medindo o comportamento do consumidor no Instagram com monitoramento


Como ela pode te ajudar na sua estratégia de marketing?

Existem muitos benefícios em utilizar mídia programática para divulgar seus serviços. Entre eles:

  • Mais precisão: um bom trabalho de segmentação é essencial para qualquer estratégia de marketing digital. A mídia programática possibilita isso através de sua tecnologia, que é baseada totalmente em dados, o que ajuda a refinar ainda mais seus resultados;
  • Custo pequeno: não podemos deixar de mencionar o baixo custo desse tipo de espaço, consistindo em uma grande vantagem para pequenos anunciantes;
  • Monitoramento: todos os processos da mídia programática são monitorados; portanto, o anunciante pode analisar os resultados de suas campanhas e ajustá-las de acordo;
  • Retargeting: a mídia programática possibilita que você mostre seu anúncio para aqueles que já entraram em contato com sua marca. O uso das estratégias de retargeting tem aumentado justamente devido ao alto ROI gerado.

Mídia programáticaComo fazer uma campanha de mídia programática?

Você já entendeu o que é mídia programática e quais são suas vantagens. Agora, como prosseguir? Bem, fazer uma campanha na prática não é difícil. Vamos ver um passo a passo abaixo para que você fique por dentro desse método de divulgação.

1. Escolha suas estratégias

Primeiramente, antes de explicarmos as estratégias possíveis dentro da mídia programática, vamos esclarecer alguns conceitos e ferramentas dessa área:

  • DSP: uma campanha é sempre operada através de uma DSP (Demand Side Plataform). Esse software configura a campanha e oferece acesso ao inventário de anunciantes e aos portais de anúncios. É então que acontece um leilão em tempo real: o anunciante que der o lance mais alto ganha a impressão e veicula a mídia no portal;
  • DMP: as DMPs (Data Management Platform) são ferramentas que extraem dados sobre as audiências, rastreando o comportamento de navegação dos usuários através de cookies e dados móveis. Essa análise de Big Data é essencial para mostrar os anúncios às pessoas certas;

Agora que você está familiarizado com essas ferramentas, vamos então às estratégias que gestores de mídia programática usam com frequência:

  1. Conteúdo semântico: um lance é dado quando uma página da web tem algum conteúdo relacionado à marca em questão;
  2. Third Party Data: um lance é dado apenas quando um usuário com o perfil segmentado entra em uma página da web;
  3. Retargeting: tags são instaladas no site do anunciante, rastreando o usuário e impactando-o com mensagens enquanto ele navega;
  4. Whitelists: os lances são dados em sites listados como relevantes para o anunciante.

2. Planeje a campanha

Depois de entender as estratégias, a próxima etapa é planejar a campanha, e para isso, você deve definir seus objetivos. Seria gerar brand awareness? Aumentar as vendas e o ROI? Elevar o engajamento? Pense bem nessas questões.

Além disso, é importante segmentar o seu público, afinal, essa é a essência da mídia programática. E não basta segmentar apenas com base em dados demográficos. É necessário conhecer os hábitos digitais do seu público e seu comportamento online.

Por fim, uma campanha de programática deverá ser sempre direcionada para uma landing page; portanto, você terá que escolher a sua. Por exemplo, se você anunciou um acessório de moda, a melhor estratégia é direcionar o usuário que clica no anúncio para uma landing page onde o cliente pode comprar o produto, como uma página de ecommerce.


3. Escolha um parceiro para veicular a campanha

Para veicular sua campanha, você deve fechar negócio com um parceiro. Você pode escolher entre uma DSP ou pode contratar os serviços de uma trading desk. Como vimos acima, as DSPs são softwares que operam e configuram as campanhas.

Já as trading desks são empresas especializadas em mídia programática que viabilizam uma campanha em nome de um cliente. Elas já têm acesso às DSPs e DMPs, e contam com equipes completas e capacitadas para operar as campanhas.

A grande diferença entre fazer uma campanha com e sem trading desk é que, se você optar por fazer sem, terá que contratar seus próprios profissionais especializados em mídia programática, além de ter de negociar com as DSPs e DMPs. É como optar entre fazer o marketing com a ajuda de uma agência de publicidade já montada ou com profissionais freelancers e/ou internos.

Agora, você já viu como a tecnologia consegue otimizar os resultados das campanhas, usando cada vez mais dados relevantes e alcançando usuários mais propensos a comprar da sua marca.

Portanto, muito mais do que as mídias tradicionais, a mídia programática se tornou fundamental atualmente para as empresas; portanto, com certeza vale a pena usar essa estratégia.

Esse conteúdo foi útil? Então, leia também:
Facebook Pixel: o que é e como configurar?

O que acha de expandir a sua estratégia de marketing com o Dinamize Automation?

Conheça agora!